SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR « Torcedor Botafoguense

SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR

Publicado em 23/08/2012, 15:33 por RonaldoFdeSouza

 

 Apresentamos a proposta abaixo para a criação de uma nova categoria de associado para o clube Botafogo de Futebol e Regatas, o SÓCIO TORCEDOR, com DIREITO DE VOTAR e voltada somente ao FUTEBOL, razão da existência dessa nossa imensa torcida espalhada pelo Brasil afora e, para ser incluída no Estatuto, de forma legal e fugindo da tradicional improdutiva e falida ideia de promoção e desconto de ingressos que em nada contribui para o crescimento do futebol do clube.

 Fizemos diversas considerações ao longo da mesma de tal forma pudéssemos fundamentar sempre seguindo a mesma linha de pensamento que conduziria ao resultado final e as terminamos dentro dos estudos que foram desenvolvidos ao longo do tempo onde observamos diversas opiniões, já que nesse mesmo período ficamos aguardando uma proposta totalmente formatada que surgisse no meio dos torcedores, ou talvez, até mesmo pelo próprio clube e que, na realidade, nunca aconteceu.  

 Em face desse estado de coisas resolvemos dar andamento a esses estudos que apresentamos aos amigos aguardando as observações, comentários, críticas e sugestões para que possamos, em conjunto, dar fechamento e apresentar ao clube a visão do TORCEDOR BOTAFOGUENSE transformada em proposta séria para ser colocada em debate e posterior aplicação caso aceita e aprovada.

 Solicitamos aos amigos e torcedores que quiserem debater tais propostas que o façam através do espaço do FÓRUM LIVRE onde a mesma encontra-se postada e pronta para aceitar as devidas análises, questionamentos e críticas construtivas, de tal forma possamos responder e, em conjunto, com novas ideias que certamente vão surgir, lapidar e enriquecer ainda mais essa proposta.

 Após diversas correções e revisões podem surgir erros não só de português como de digitação. Solicitamos que nos ajudem também nesse sentido.

________________________________________________________________

 

 Proposta para a criação de um plano de

SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR.

 

A criação de um plano de SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR torna-se, em nosso entendimento, imprescindível ao crescimento do clube, não só em novos recursos advindos dessa imensa fatia de mercado que é o torcedor botafoguense espalhado por todo o território nacional e que poderá oxigenar a administração em prol do futebol, como no aspecto midiático, pois, todo e qualquer patrocinador ao aceitar inverter recursos físicos e financeiros num determinado tipo de evento busca a visibilidade e o desenvolvimento de sua marca e, acreditamos que, com um plano bem desenvolvido de marketing, de mídia e merchandising, de publicidade e propaganda, inevitavelmente, trará no descortino de sua imensa torcida, os resultados almejados, novos patrocínios, a venda de produtos, que gerarão, além da possibilidade de manter grandes nomes de jogadores em seu principal plantel de futebol, a conquista de grandes títulos.

Para tanto, apresentamos abaixo a proposta que consideramos adequada para a criação de uma nova modalidade de sócio para o clube e que deveria constar da próxima alteração estatutária na forma de SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR se assim o atual Conselho Deliberativo do clube entender.

CENÁRIO

Há muito que ouvimos falar sobre propostas para a criação de um plano onde são requeridos direitos para o torcedor votar e ser votado.

Várias ideias surgiram, mas até o presente momento, e são passados alguns anos, ainda não vimos nenhuma proposta concreta ser apresentada ao clube para cooptação de torcedores residentes e de não residentes no RJ.

O clube andou lançando planos alternativos de desconto de ingressos, como o “BOTAFOGO NO CORAÇÃO” e o “SOU BOTAFOGO”.

Esses planos mostram de maneira bem clara a visão que gestores têm do torcedor. São planos sem nenhuma visão ou pretensão de crescimento apelando somente para a paixão e o bolso, a vontade do torcedor em ver o time jogar por preços mais acessíveis. E são planos elitizados e discriminatórios uma vez que criam diversos níveis que se interpõe entre o sócio proprietário e o simples torcedor, fadado ao fracasso, como temos visto. Ora, numa arquibancada não são todos torcedores?

São planos que além de não terem atrativos suficientes não dizem onde estarão sendo empregados tais recursos advindos do torcedor. Se num melhor momento em 2007 o clube teve para mais de 17 mil cadastrados, pelo plano “BOTAFOGO NO CORAÇÃO” e, esse número não superou o público pagante médio à época, e o atual plano “SOU BOTAFOGO” conseguiu por volta de 6 mil associados e que agora, em 2012 teve um aumento, segundo a diretoria, chegando à casa dos 10 mil. Como na realidade ninguém sabe verdadeiramente quais são os números, o que entendemos é que o problema está na transparência da gestão e, infelizmente, nenhuma, para nós, nenhuma das administrações do clube até hoje foi suficientemente transparente para ganhar total credibilidade junto ao torcedor.

Por outro lado algumas ideias estapafúrdias foram lançadas com a proposta de separar o clube social do clube de futebol. A nosso ver um verdadeiro absurdo, pois, entendemos que é apenas, e tão somente, uma questão de gestão, de controle administrativo-financeiro, com transparência e probidade administrativa. Chegar ao cúmulo de propor uma separação do clube nesses quesitos com CNPJ diferenciados é repartir o Botafogo em dois, e daqui a pouco em três, o que discordamos totalmente. O clube BFR não pode ser dividido e, se isso acontecesse, com certeza levaríamos outros cem (100) anos para que o quadro social chegasse a um acordo para decidir de que lado ficaria com os quase um bilhão de reais (R$ 1.000.000.000,00) de passivo, de incompetência, gerados nesses tempos e, previstos para os próximos dois (2) anos. E, além do mais, surgiriam dúvidas também, pois, quem ficaria com um quadro social inepto e interesseiro, sem criatividade, sem dinheiro, falido e que só quer, por cultura secular, com enorme soberba receber comendas e participar de festas, samba, feijão do fogão, piscinas e saunas? Chega a ser risível tal proposta!

E ainda assim, surgirão dúvidas, pois, conseguirá o clube manter-se vivo sem a verba do futebol? Conseguirá o quadro social manter as suas mordomias e sua soberba sem a verba do futebol? Conseguirão as outras modalidades de esportes amadores sustentação para suas atividades sem a verba do futebol? Quanto a essas outras modalidades, pelo que soubemos, andaram conseguindo alguns magros patrocínios, menos mal, embora ainda bem deficitário.

E como futebol é massa de torcedores e, não há como discutir isso, muito menos dissociar um do outro e, o clube só existe por causa da sua torcida apaixonada única e exclusivamente pelo futebol, não fosse isso já teria sucumbido a gerações de administradores incompetentes. O torcedor botafoguense é o único patrimônio do clube.

No clube, o cenário que se apresenta através do sócio proprietário é o seguinte:

1. Pessoas que compraram o título somente para usufruir de suas atividades sociais. Nesse grupo estão torcedores do Botafogo e de outros clubes também por residirem nas redondezas e, o BFR é a única opção de lazer na região onde se encontra localizado.

2. Pessoas que compraram o título para usufruírem de suas atividades sociais e/ou políticas. Nesse grupo estão torcedores do Botafogo e, acredito que, estrategicamente pensando, de outros clubes também. Alguns vão dizer que é pura teoria da conspiração, mas em tempos antigos e atuais a estratégia é utilizada não só nos meios militares, mas também nos meios civis, políticos e empresariais. O logro, a dissimulação, a espionagem sempre foram altamente empregados para quebra de sigilo, roubo de informações e desvios de rumo. Por que não pensar assim?

Desses grupos acima, uns efetivamente gostam e torcem pelo futebol e outros não, mas uma colocação deixa dúvidas quanto aos interesses que surgem, pois, feita por um dos atuais vice-presidentes do clube quando veio a público e disse que o Botafogo não era somente futebol. Como não é somente futebol se foi através do futebol que alcançou o reconhecimento nacional e internacional? De onde surgiu a imensa torcida espalhada por todo o Brasil?

O poder decisório do clube está em mãos do Conselho Deliberativo, órgão máximo, e suas decisões são ou deveriam ser soberanas. O atual Estatuto é composto por sessenta (60) membros Titulados – Grandes Beneméritos e Beneméritos – que compõe o Corpo Permanente e cento e quarenta (140) sócios proprietários que são modificados a cada três (3) anos, com as eleições, o Corpo Transitório, indicado pelo presidente executivo eleito.

E a informação, a estratégia, as ações planejadas, se é que existe tudo isso por lá mesmo, mas considerando que sim, todo esse poder decisório passa pelas mãos deles.

E o resultado demonstrado está claramente visível, para quem quiser ver e entender, através das eleições onde as atividades sociais são beneficiadas na figura de um presidente que nada lhes negou e que estrategicamente manteve o interesse daqueles que lhe votariam.

O social representa uma parcela ínfima de recolhimento de recursos para manutenção de suas próprias atividades, assim como outras modalidades desportivas que não o futebol e, exatamente, através das verbas de patrocínio, das vendas de camisa, da transação de jogadores e demais atividades e entradas de recursos que envolvem o futebol é que todo esse social é mantido.

Um verdadeiro saco sem fundo, um escoadouro de dinheiro obtido por patrocínios e mídia televisiva que somente existem porque ainda existe uma torcida consumidora. Qual clube sem torcida tem patrocinadores?

O atual marketing do clube é fraco ao não analisar esses quesitos e jogando para a rua bobagens como camisas de época, bonecos, rodas de samba, feijão no fogão e outras baboseiras, que em nada contribuem para o crescimento do clube, criando uma imagem ruim, a nosso ver, e que vai aos poucos sendo antipatizada pela torcida que tende a se afastar, pois, de que adianta tudo isso SEM TÍTULOS? E nesse caso o programa lançado por eles é fraco, tanto é que o plano SOU BOTAFOGO não decolou e ao que parece tentam uma nova investida para crescimento do mesmo por conta da contratação de jogadores com maior visibilidade no mercado internacional.

O atual Estatuto do Botafogo de Futebol e Regatas foi feito em 1975 e em 2008 fizeram sua última alteração estatutária, uma verdadeira colcha de retalhos, de difícil entendimento.

Houve um equívoco nessa alteração de 2008, mas podemos também estar errados em nossa análise senão vejamos.

Um dos pontos principais que dizem que está sendo discutido dentro do clube, pelo menos é o que se sabe, é a possibilidade de abrir ao torcedor em geral a aquisição de títulos de Sócio Contribuinte com a finalidade de democratizar o clube.

Cremos que o problema da democratização do clube vem em função da escolha para o presidente, no comprometimento que o mesmo vai ter com a instituição, no controle das ações do executivo pelo deliberativo e fiscal e num Plano Diretor bem elaborado que defina os rumos.

Mas, surgem dúvidas quando sabemos que abrir o clube a novos sócios que possam não só contribuir financeiramente com as despesas gerais como também votar e ser votado seria um problema para o atual quadro social, pois, se não nos enganamos, pelas notícias que lemos esse quadro social já não mais aceita outros sócios disputando o mesmo espaço da piscina, da churrasqueira, da sauna e demais atividades sociais. Como então trazer mais sócios para dentro do clube?

E quanto aos conselhos superiores, nitidamente o CONSELHO DELIBERATIVO, aceitariam tais conselheiros a entrada de novos sócios no clube com direito de VOTAR?

Que tipo de risco aos mesmos isso implicaria que não fosse somente perder o comando total do clube, um feudo, pelo qual o mantém há décadas? Se funcionasse talvez não tivéssemos um passivo dessa natureza nem questionamentos quanto à credibilidade desse conselho e dos demais. Talvez seja essa a conotação que alguns dão ao dizerem que pretendem democratizar o clube, ou seja, liberar o clube das amarras doentias de um feudo que não deixa o clube crescer.

Quando se fala sobre a questão do Sócio Contribuinte cria-se um complicador porque ele é dividido em três classes, EFETIVO, MENOR e TORCEDORES e, assim sendo, qualquer colocação falando que o Sócio Contribuinte tem direito de votar e ser votado não está correta, pois, são classes diferentes e que não condizem com que está sendo divulgado.

No Estatuto é assim (de acordo com o original):

____________________

Seção V

Dos Sócios Contribuintes

Art. 20 – Os sócios contribuintes pertencem às seguintes classes:

I – Efetivos;

II- Menores;

III – Torcedores.  

I – Efetivos: são os que, a partir de 16 (dezesseis) anos de idade, pagarem a joia e as mensalidades correspondentes à tabela de contribuições em vigor. II – Menores: são os que, possuindo idade inferior a 16 (dezesseis) anos, pagarem a joia e as mensalidades correspondentes à tabela de contribuições em vigor. III – Torcedores: são os que, residindo fora da região metropolitana da Capital do Estado do Rio de Janeiro, pagarem a contribuição estabelecida na respectiva tabela tendo assegurados os direitos de frequentar as dependências sociais do BOTAFOGO e de dispensa do pagamento de joia ao se tornarem sócios efetivos.

Art. 21 – Os sócios menores e torcedores não poderão requerer convocações, votar, nem serem votados.

Parágrafo Único – Os sócios menores têm limitados os seus direitos sociais exclusivamente às suas pessoas, com estrita observância às determinações estatutárias, legais ou judiciais, próprias às respectivas idades, sendo dispensados de pagar nova joia ao ascenderem à classe de efetivos.

_____________________

Os autores, em sua incoerente e fraca argumentação discorrem somente sobre as classes I – EFETIVO e II – MENOR, e não sobre a classe III – TORCEDORES que deveria abranger a massa de torcedores botafoguenses residentes fora do município do Rio de Janeiro, pois, ao mesmo tempo em que dizem que “vão abrir urnas em todas as cidades que tiverem 500 sócios e o Botafogo será o primeiro clube brasileiro a ter uma eleição nacional”, não justificam de que forma farão isso acontecer em todas as “outras cidades”, pois, no Artigo 20 inciso III, que eles não mencionam onde, claramente, é dito:

___________________

Art. 20, inciso III – Torcedores: são os que residindo fora da região metropolitana da Capital do estado do Rio de Janeiro, pagarem a contribuição estabelecida na respectiva tabela, tendo assegurados os direitos de frequentar as dependências sociais do BOTAFOGO e de dispensa do pagamento ao se tornarem sócios efetivos.

___________________

Ora, se para votar e ser votado tem que ser Sócio Contribuinte EFETIVO e, obrigatoriamente, ter residência no município do Rio de Janeiro, como eles obterão votos em outras cidades se o Sócio Contribuinte TORCEDOR – classe criada, EXCLUSIVAMENTE, para o torcedor residente FORA do município do Rio de Janeiro, não pode exercer o seu direito de votar? Conforme o artigo 21 que segue abaixo.

___________________

Art. 21 – Os sócios menores e torcedores não poderão requerer convocações, votar, nem serem votados.

___________________

E, o Estatuto é confuso, pois, em outro detalhe, como ele sendo da classe TORCEDOR, classe EXCLUSIVA para residentes fora do município do Rio de Janeiro, pagando a devida joia pode tornar-se EFETIVO, se essa classe é EXCLUSIVA para residentes no município do Rio de Janeiro?

Como então vem à tona esse papo furado de Sócio Contribuinte como opção aos torcedores?

Falar somente sobre o Sócio Contribuinte é bobagem, pois, pelas suas características e ausência de maiores esclarecimentos, torna-o um plano pontual somente para torcedores do município do Rio de Janeiro, pois, além de não ter a eficácia que se pretende em forma de entrada de recursos deixa ainda diversos vazios sem explicação.

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Por mais que um clube envolva paixão, o torcedor é um consumidor nato, mas não é bobo.

Ficar tentando arrumar fórmulas matemáticas e estatísticas para entender e desenvolver um plano de Sócio Torcedor colocando como atrativo principal a presença do torcedor no Engenhão não vemos como boa ou atrativa. Não temos, como torcedores, que entender a relação da torcida com o estádio E SIM COM O CLUBE.

O que entendemos é que o erro está no tratamento inverso quando na realidade o clube é a CAUSA e o Estádio é a CONSEQUÊNCIA!

E para isso é necessário trazer o torcedor para dentro da CAUSA, fazer com que ele se veja inserido nesse processo, seja conivente, seja cúmplice desse crescimento, fazer com que ele veja o dinheiro dele sendo usado SOMENTE NO FUTEBOL que aprecia e que analise e participe das eleições VOTANDO!

Portanto, o foco principal de um programa desse tipo não é o acesso ao estádio mais próximo ou as vantagens que ele pode vir a oferecer. Os descontos, as vantagens, as promoções e demais subprodutos utilizados numa campanha desse tipo já deverão estar embutidos no programa onde o desenvolvimento do clube, a transparência, o fortalecimento e a apresentação de um time forte e compatível com a história do clube, esses sim, transformados em VITÓRIAS E TÍTULOS CONQUISTADOS possam trazer o torcedor para dentro do clube – ESSE É O PRODUTO!

E como buscar VITÓRIAS E TÍTULOS? Com um time digno da história do clube. Como fazer esse time senão com disponibilidade de recursos e, onde buscar esses recursos? Junto aos patrocinadores e demais investidores, mas com que objetivo, com quais estratégias e ações? Pesquisando, levantando e mostrando o cenário de torcedores botafoguenses em todo o Brasil, mas de que forma? Com o plano de SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR. Só vemos e entendemos dessa forma!

E, para que votar se não for para mudar a cultura do clube? E esse produto é mostrado ao torcedor, através de um PLANO DIRETOR com as suas políticas e estratégias de curto, médio e longo prazo, com a transparência total e necessária sobre como e de que forma serão aplicados os recursos que ele proporciona. Esse é o grande atrativo na captação de associados ao mesmo.

No caso dos recursos obtidos com o plano de SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR que eles sejam aplicados unicamente no futebol essa sim é uma vertente interessante e que pode dar certo.

Se os esportes amadores se acham em condições de auto sustentação que mostrem do que são capazes, que apresentem seus projetos e se mantenham por conta própria, com projetos próprios e assim o clube crescerá de forma igualitária não havendo, portanto, sobrepeso financeiro de um esporte sem condições sobre o outro mais rentável, ou melhor, o futebol sustentando o social e os demais esportes amadores, “UM ESCOADOURO DE DINHEIRO SEM RETORNO”. Caso os esportes amadores não consigam a sobrevida necessária para sua manutenção e crescimento, o que acredito e vejo em outros clubes o mesmo tipo de dificuldades na obtenção de patrocínios, a minha opinião é de que o clube deveria voltar as suas origens ao futebol e ao remo (somente por tradição) extinguindo ou congelando tais esportes. Mais nada!

Escolinhas de futebol e remo deveriam ser incentivadas e os demais esportes amadores poderiam ser mantidos internamente como atividade social-recreativa ou em convênio com clubes sociais com perfil para esportes amadores e olímpicos somente para divulgação da marca BFR.

Assim surge uma alternativa, num momento confuso e delicado em que a dívida do clube cresce assustadoramente, onde se discute apenas no meio do torcedor a viabilidade ou não de um plano de Sócio Torcedor, em nível nacional, com direito a votar e ser votado, como também nota-se, claramente, a falta de vontade do clube em aprovar tal plano. As razões são as apresentadas, mas no fundo sabe-se que não são essas as razões e sim, o poder de voto que tal classe de título de Sócio Torcedor poderá vir a influenciar em épocas de eleição.

O PLANO

A criação e implantação do SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR, acessível a todos os torcedores botafoguenses espalhados por esse Brasil e, cuja receita seja aplicada somente ao futebol seria a boa ideia.

E, como as diversas opiniões que surgem de SÓCIO TORCEDOR não tornam esses novos sócios, obrigatoriamente, frequentadores do clube e de suas atividades sociais, mas, sim, unicamente do futebol, essa criação e implantação do SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR seria importante. E, nesse caso, seria bem coerente, dado o cenário exigido pelo quadro social, uma vez que o protege e as suas atividades da presença dos novos sócios.

Por outro lado, como as verbas deverão ser separadas e, não seria digno mesmo e nem respeitoso por parte de um quadro social tão tradicional querer requisitar parte dessa verba, por menor que fosse, para manter as piscinas, saunas e demais mordomias que o quadro social tem no clube, muito menos que essas verbas fossem para outras modalidades esportivas do clube para cobrir as suas deficiências financeiras, poderia ser fiscalizada por uma comissão criada e eleita dentre os Sócios Torcedores mais habilitados a tal e que poderia ser mesmo um CONSELHO DE TORCEDORES, criado na próxima alteração estatutária.

Esse CONSELHO DOS TORCEDORES, em nossa visão, de forma bem simples seria a possibilidade do torcedor engajado somo SÓCIO TORCEDOR de participar da vida do clube na questão do FUTEBOL, fiscalizando, assessorando, pesquisando e formulando propostas para a melhoria do futebol do clube através da DIRETORIA DE FUTEBOL e de sua subordinada, a GERÊNCIA DE FUTEBOL, ambas da DIRETORIA EXECUTIVA.

Não só seria de grande valor para o clube como um atrativo imenso para que o torcedor botafoguense tivesse um bom motivo para entrar para SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR tendo ainda a possibilidade de participar de um Conselho voltado ao torcedor que poderia influenciar nas decisões ligadas diretamente ao futebol e, com isso assessorar a diretoria executiva e seu respectivo diretor e gerente de futebol na melhor proposta e decisão a ser tomada pelo clube no futebol.

Esse Conselho passaria a ser um motivador e uma forma do clube demonstrar que prestigia que valoriza o seu maior patrimônio, o TORCEDOR.

Os candidatos ao Conselho dos Torcedores sairiam somente do quadro de Sócios Torcedores.

Isso movimentaria o clube e daria oportunidade a todos de participarem da vida política do clube e evitando assim que o presidente eleito já venha com cheque em branco assinado por um conselho já formado em chapa e que teoricamente aprovará todos os seus atos, o que é algo inadmissível e assombroso.

Poderá também, em caso de desacerto com esses diretores, recorrer ao Presidente Executivo e em última instância ao Conselho Deliberativo.

Portanto, somos inteiramente a favor do SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR, para todo brasileiro nascido botafoguense em qualquer parte do país.

É sempre bom lembrar que o clube nasceu FUTEBOL e não social.

MODALIDADES DO PLANO

Um programa para o SÓCIO TORCEDOR DE FUTEBOL, em nossa visão deve ter duas modalidades e que são divididas para torcedores residentes no Município do Rio de Janeiro, RJ denominados MODALIDADE-RJ e torcedores não residentes, denominados MODALIDADE-BR.

AS ELEIÇÕES

Esses torcedores, independente da modalidade a que pertencem, por ocasião das eleições poderão votar com o Cartão Inteligente, eletronicamente, através de computador diretamente no site do clube especialmente programado para tal.

Esse Cartão Inteligente pode ser implementado e expandido a todos os sócios do clube.

Trata-se de um cartão inteligente com chips eletrônico, personalizado com foto, com bandeira de administradora de cartões e marca de banco. São as empresas que conhecemos e que já fazem, nacional e internacionalmente, um trabalho de qualidade.

É evidente que o plano de SÓCIO TORCEDOR deverá ter parceria na administradora de cartões e no banco comercial terá um ‘Plus’ altamente atrativo em sua carteira de clientes consumidores, uma torcida inteira poderá receber suas ofertas de produtos bancários que estarão à disposição dos mesmos tão logo seus cadastros sejam aprovados para uso do mesmo. Aprovação simples, não um cartão de crédito, mas sim para um cartão de débito e de multidescontos com a marca da administradora, do banco e do clube espalhadas em todo o território nacional através de suas agências.

Uma série de produtos e projetos pode ser agregada a esse tipo de tecnologia.

Com a implantação desses cartões o clube poderá ter não só os sócios torcedores como os demais associados, funcionários, diretores, conselheiros, atletas, enfim, abrindo atrações a todos além de ser altamente abrangente e que trás em sua tecnologia uma capacidade de informação que o clube terá a sua disposição para trabalhar no mercado patrocinador e no controle de todos os seus serviços. É um passo bem avançado.

A FUNDAMENTAÇÃO

É importante ressaltar que:

1 – Esse plano de SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR atinge somente e tão somente torcedores de arquibancada no Rio de Janeiro e fora do Rio de Janeiro que não tenham condições de comprar um título de Sócio Proprietário ou Contribuinte do clube, por questões financeiras ou logísticas;

2 – Esse plano não visa os detentores do título de Sócio Proprietário ou do Sócio Contribuinte e, muito menos para ser considerado um plano promocional de descontos de ingresso como atualmente faz o BFR com o seu plano SOU BOTAFOGO, muito menos, tais categorias de sócios podem adquirir tal plano, pois, trata-se de uma nova modalidade de título de sócio para o clube e, portanto, constará em Estatuto, de forma legal;

3 – Esse plano é para mostrar o torcedor botafoguense identificado com o clube e não com o Engenhão, ou seja, ele tem que participar da vida política do clube, VOTANDO naquele que se candidatar ao cargo de presidente da Diretoria Executiva. Ele tem que se sentir dentro do processo de resgate do clube, podendo acompanhar o trajeto do dinheiro que ele pagou por mês e onde o mesmo estará sendo utilizado, e de que forma, pois, o PLANO DIRETOR estará mostrando antecipadamente o que será feito com esses recursos advindos dos sócios torcedores, com PLANEJAMENTO, DEFINIÇÃO DO RUMO com METAS E PRAZOS a serem cumpridos;

4 – É importante compreender que o Engenhão é CONSEQUÊNCIA e não CAUSA! Que o passivo é CONSEQUÊNCIA e não CAUSA! Que o Centro de Treinamento é CONSEQUÊNCIA e não CAUSA! Que a piscina furada é CONSEQUÊNCIA e não CAUSA! Que o mau atendimento é CONSEQUÊNCIA e não CAUSA! Que essa gestão é CONSEQUÊNCIA e não CAUSA! Que a existência de um omisso Conselho Deliberativo é CONSEQUÊNCIA e não CAUSA! O treineiro e os pífios resultados obtidos pelo time são CONSEQUÊNCIA e não CAUSA! E, assim por diante.

5 – E tudo isso é CONSEQUÊNCIA perante o quadro social com uma cultura soberba recheada de favores e de gentilezas é a verdadeira CAUSA de todo o cenário concebido até agora. Quadro social esse que aceitou, durante décadas, colocar no poder administrações inconsequentes e irresponsáveis, outras amadoras e incompetentes, e até em possíveis casos com má fé mesmo, onde todas, sem exceção, geraram esse passivo assombroso chegando a ser criminoso, pois, atenta contra a sobrevivência e continuidade do secular clube.

Quando damos ênfase ao plano de SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR é porque vemos nele a possibilidade de ser criada uma janela única de entrada de recursos que hoje o clube não tem e sequer percebe a sua importância.

E dessa forma o plano tem que ter a vontade e pretensão de mostrar através e para os torcedores botafoguenses espalhados em todo o Brasil da sua importância como TORCEDOR para o crescimento do clube e do futebol e não como um mero instrumento de obtenção de recursos sem contrapartida. É questão de tempo e, após o início de um trabalho sério e voltado ao êxito do clube, os resultados vão aparecer.

E essa importância é demonstrada através da viabilização do poder de votar, imprescindível como atrativo nessa proposta.

E os descontos, de 50% para os moradores no Estado do Rio de Janeiro quando o clube tiver mando de campo e, de 100% para moradores de outras regiões do país quando o clube for atuar na delimitação de seu Estado de origem, pelas cotas disponibilizadas. O que é isso em termos de retorno financeiro para o clube? O que o clube perde?

Em nossa opinião não perde nada, pois o clube joga uma vez ou outra em cada estado, quando joga, pela Copa Brasil e pelo Campeonato Brasileiro. E recebe se não estamos enganados, uma cota de 10% de ingressos em cada um desses estádios. E o que são 10% de cota de ingresso que o clube não possa bancar para efetivamente ter seus torcedores preenchendo toda essa cota? Os torcedores de outros estados poderão motivar o clube em suas apresentações com a sua presença maciça, mesmo que somente em dez por cento (10%) de cotas disponibilizadas, mas dará a ideia de volume de torcedores em cada apresentação fora de casa, além da própria contrapartida que o clube proporciona a seus torcedores regionais.

Nada impede também que seja feito um atrativo aos Sócios Proprietários e Contribuintes (?) através da promoção e redução do valor de ingressos, mas tal resolução é feita somente pela vontade política do presidente em exercício e isso não é de nossa competência e, definitivamente, não consta em nossa proposta.

É óbvio, também, que o torcedor que não quiser ser SÓCIO TORCEDOR, terá direito de comprar o ingresso e assistir aos jogos, pois, da cota a que tem direito, o clube pode abrir mão de 10% para ingressos impressos que poderão ser comprados nos locais indicados. Com isso a prioridade deverá ser a maioria dos ingressos para com o plano de SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR onde o mesmo já tem o desconto embutido de 50%. É pouco? É muito? Cremos que é de bom tamanho.

Outro detalhe levantado foi sobre a relação entre organizadas e o clube. Bom, em nossa opinião, esses torcedores de organizadas devem se engajar de primeira no plano de SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR e assim, com desconto de 50% não terão dificuldades em adentrar os jogos do clube. Quanto ao material de bateria e instrumental, bandeiras, faixas e acessórios, o clube pode muito bem ceder espaço no Engenhão para guarda das propriedades das organizadas, assim como, criarem pequenos bureaux para venda de camisas, bonés, flâmulas, faixas, adesivos, patches, tudo relacionado com a marca das organizadas e do clube que, a nosso ver, deve cobrar pequenos royalties de utilização de marca. Outros itens como ao acompanhamento a viagens do time, o clube poderia ceder ônibus para até duzentos (200) acompanhantes das organizadas.

Dessa forma, todos identificados e cadastrados, o clube apoiaria a sua torcida organizada, inclusive, com o patrocinador master do clube ajudando nesse apoio para a divulgação de sua marca. Tudo isso é muito barato para o clube e não justifica em nada manter distribuição de ingressos gratuitos para as organizadas por conta de uma infra que somente serve aos interesses políticos e financeiros de poucos que ficam no comando das mesmas.

Outra preocupação levantada é sobre a possibilidade de um chefe de torcida tornar-se Sócio Proprietário e candidatar-se a presidente executivo com o apoio daqueles que já compõem a sua torcida organizada e virem a tornarem-se SÓCIOS TORCEDORES COM DIREITO DE VOTAR e, assim, votarem no mesmo para presidente executivo. Ora, temos no clube diversos ex-chefes de torcida que já viraram Sócios Proprietários há tempos atrás e que fazem parte dos conselhos superiores.

AS ELEIÇÕES

Se for bem observado, o leitor notará que esse PLANO beneficia somente duas modalidades, uma para o RJ e outra para os demais Estados da União, que consideramos BR e, todos com direito de votar, mas, nenhuma delas com direito a ser votado, uma prerrogativa, apenas, do Sócio Contribuinte e do Sócio Proprietário, respeitando os seus respectivos níveis de participação.

Os níveis de participação aos quais nos referimos são os seguintes:

* O SÓCIO PROPRIETÁRIO pode votar e ser votado para presidente executivo pode votar e eleger os membros do CONSELHO DELIBERATIVO como pode se candidatar a qualquer cargo elegível dentro da estrutura do clube até o cargo máximo de presidente do CONSELHO DELIBERATIVO.

* O SÓCIO CONTRIBUINTE pode votar e ser votado para presidente executivo e pode se candidatar a qualquer cargo nomeado dentro da estrutura do clube até o cargo máximo de presidente dos Conselhos FISCAL, DE ÉTICA, e CONSULTIVO.

* O SÓCIO TORCEDOR pode somente votar em presidente executivo como pode se candidatar as cadeiras no CONSELHO DOS TORCEDORES e eleger dentre eles o seu presidente.

OS VALORES

Os valores que consideramos foram sobre uma pequena pesquisa com opiniões de torcedores botafoguenses em sites, blogs e portais de futebol onde a maioria dos torcedores seja do RJ ou de outro estado da União, onde dizem que esses valores ou próximos deles são os ideais.

Não vemos como assustador um valor para um plano de Sócio Torcedor no RJ com uma série de atrativos a R$20,00 ou os de fora do Estado pagar R$12,00 quando, teoricamente, pelos planos lançados pelo clube, muito além desses valores, alcançou número inexpressivo de torcedores adeptos ao mesmo.

Entendam que essa proposta não abrange somente uma relação de torcedor com o Estádio de Futebol e descontos em ingressos. Vai muito além. Envolve o torcedor na cumplicidade, no desenvolvimento do clube através do futebol, dando a transparência necessária onde e como será aplicado o seu dinheiro. Isso dá vida ao clube.

Com isso o pretendido é que o Programa de Sócio Torcedor de Futebol alcance a demanda abaixo:

MODALIDADE – RJ = 200.000 de torcedores.

MODALIDADE – BR = 1.000.000 de torcedores.

São números poderosos, que permitem uma arrecadação mensal fantástica. SE NÃO HOUVER OUSADIA NÃO HAVERÁ CRESCIMENTO. É para isso que existe um marketing, para desafios dessa natureza onde a criatividade será fator decisivo no resultado final.

Não nos parece absurdo. Com uma campanha de marketing agressiva e bem feita mostrando um PLANO DIRETOR bem fundamentado com políticas de curto, médio e longo prazo que demonstra, além da transparência que todo torcedor quer ver, a garantia de que o seu esforço financeiro mensal trará resultados para o clube através do futebol, a sua paixão.

O problema todo é que ficamos nos baseando em programas e planos de outros clubes. Não temos que nos preocupar com eles até porque, todos são planos promocionais de desconto de ingressos e a nossa proposta não pode ser igual, não podemos cair na mesmice de outros planos de desconto sem nenhuma contrapartida, como já disse anteriormente, o torcedor pode até ser ludibriado em determinado momento, mas não é bobo.

APLICAÇÃO DOS RECURSOS

Os recursos advindos do plano de SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR poderão ser aplicados da seguinte forma e maneira:

  • 10% para a criação, implantação e subsistência do CT – Centro de Treinamento CIDADE BOTAFOGO;
  • 40% para a mantença de contratos de base e contratação de atletas;
  • 10% para marketing, publicidade e propaganda, mídia e merchandising;
  • 20% para a amortização do passivo do clube;
  • 20% para Reserva Financeira.

A PROPOSTA RESUMIDA

Plano Sócio Torcedor

Ensaio de ARRECADAÇÃO do Programa de SÓCIO TORCEDOR

Ensaio de arrecadação

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Particularmente temos certeza de que o plano de SÓCIO TORCEDOR COM DIREITO DE VOTAR é uma saída válida e independente, embora as gestões que se apresentam há anos tenham problemas quanto à credibilidade que é percebida pela grande massa de torcedores.

Assim como, não acreditamos também que a torcida fará filas para adquirir um plano sem fundamentação, um ‘caça níqueis’. Tem que haver CONTRAPARTIDA. Mas, acreditamos que com contrapartida, com um plano bem elaborado lastreado sobre um PLANO DIRETOR para o clube com início, meio e fim, com transparência do uso dos recursos financeiros que vão advir de tal plano, aí sim, o clube terá de volta a credibilidade e a possibilidade de cobrança por parte de quem paga a quem recebe, sobre um crescimento que será acompanhado por todos os artífices desse, OS TORCEDORES.

 banner_assinatura

 

Comentários em SÓCIO TORCEDOR – FÓRUM

Comentários fechado.